Lançamento

JANETE COSTA - ARQUITETURA, DESIGN E ARTE POPULAR

Autor: ADÉLIA BORGES, JULIO CAVANI, LAURO CAVALCANTI, MARCELO ROSENBAUM, MARCUS LONTRA

Oferecer uma visão panorâmica e crítica sobre a obra de Janete Costa em seu conjunto, sob diversas perspectivas, é proporcionar uma percepção de sua importância histórica nos contextos da arquitetura modernista brasileira e da arte popular. Com ensaios analíticos de Adélia Borges, Lauro Cavalcanti, Julio Cavani, Marcus Lontra e Marcelo Rosenbaum, acompanhados de um amplo acervo de fotografias que retratam exposições, móveis, objetos, obras de arte, peças de artesanato e projetos de interiores, este livro procura contribuir para uma reflexão sobre o rico do legado sociocultural da consagrada arquiteta pernambucana.

  • Dimensões:

    22 x 31cm
  • Assunto:

    Biografias e Perfis
  • ISBN:

    978-65-990168-9-9
  • Nº de páginas:

    161
  • Ano de edição:

    2021
ADÉLIA BORGES, JULIO CAVANI, LAURO CAVALCANTI, MARCELO ROSENBAUM, MARCUS LONTRA

O autor: ADÉLIA BORGES, JULIO CAVANI, LAURO CAVALCANTI, MARCELO ROSENBAUM, MARCUS LONTRA

ADÉLIA BORGES é jornalista, historiadora de design e curadora, autora de vários livros, entre eles Design + artesanato: O caminho brasileiro (2011) e Designer não é personal trainer (2002). Ex- diretora do Museu da Casa Brasileira, em São Paulo e professora de História do Design na FAAP. Colabora com publicações no Brasil e no exterior e desde 1988 fez a organização e/ ou curadoria de exposições em uma dezena de países. Integra o Advisory Comittee da London Design Biennale e participa do comitê de premiação do London Design Museum. LAURO CAVALCANTI é arquiteto, antropólogo, curador de exposições e escritor, com livros sobre arquitetura, estética e sociedade. Foi premiado pelo Instituto dos Arquitetos em 1979 e 2001 por Arquitetura kitsch e Quando o Brasil era moderno. Em 2009, pela mostra e livro Roberto Burle Marx: A permanência do instável, recebeu os prêmios de melhor retrospectiva pela APCA e de melhor curadoria pela ABCA. Publica ensaios e artigos no Brasil e no exterior. Pesquisador-visitante na National Gallery, em Washington (1996), e no Centro Canadense de Arquitetura, Montreal (1999). Conselheiro da Casa Lucio Costa, da Fundação Oscar Niemeyer e da Fundação Roberto Marinho. Ex-diretor do Paço Imperial (1992 a 2014), é professor da Escola Superior de Desenho Industrial da UERJ e dirige o Instituto Casa Roberto Marinho, no Cosme Velho, Rio de Janeiro. MARCELO ROSEMBAUN criou o Rosembaun, Escritório de Design, Arquitetura e Inovação há mais de 20 anos. Dirige também o Instituto A Gente Transforma, da rede Yunus Social Business. Venceu prêmios do Royal Institute of British Archi- tects (Riba Stirling Prize), da ArchDaily (Building of the Year), do Museu da Casa Brasileira, da APCA, do Tomie Ohtake AkzoNobel e do Prêmio Oscar Niemeyer para a América Latina. Foi curador do Clube de Design do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP). Ministrou cursos e palestras em eventos no México, África do Sul, Portugal, Amsterdam, Brasil, China, Itália e ouros países. Foi nomeado patrono de arte pelo Prêmio Montblanc De La Culture Arts Patronage. É professor Honoris Causa em Arquitetura e Urbanismo. JULIO CAVANI é jornalista e crítico de arte. Escreveu o livro Aventuras à mão livre, bio- grafia do artista José Cláudio (Coleção Perfis, Cepe Editora). Assinou a curado- ria artística do festival Animage e de exposições dos artistas Kilian Glasner e Maurí- cio Arraes, além de textos ensaísticos do Salão de Artes Plásticas de Pernambuco e de exposições de vários artistas.. Atuou como crítico no Diario de Pernambuco e colaborou para veículos como Canal Brasil, Correio Braziliense, Estado de Minas, Billboard, asartes, Outros Críticos e Continente. Dirigiu os curtas-metragens Deixem Diana em paz e História natural, exibidos em mais de 50 mostras de cinema, com prêmios nacionais e internacionais. É autor de artigos publicados nos livros Documentário brasileiro: 100 filmes essenciais, 100 melhores filmes brasileiros e animação brasileira: 100 filmes essenciais. Como artista, participou da exposição Because We are and we aren’t tropicalists, no espaço Human Resources LA em Los Angeles (Califórnia-(EUA). MARCOS LONTRA é crítico de arte e arquitetura desde 1975, quando começou a escrever na revista Módulo, editada por Oscar Niemeyer. Atuou como curador e diretor do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Participou da criação e gestão inicial do Museu de Arte Moderna de Brasília e do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (MAMAM, Recife). Formado em Comunicação pela PUC-Rio, atuou como crítico no jornal O Globo, na Tribuna da Imprensa e na revista IstoÉ. Assinou a curadoria de exposições de Athos Bulcão, Celeida Tostes, Tomie Ohtake, Oscar Niemeyer e Franz Kracjberg, entre outros artistas; da Coleção Assis Chateaubriand, da Bienal Internacional de Escultura do Rio de Janeiro, do projeto Como vai você geração 80 e do Prêmio Marcantônio Vilaça para as Artes. A convite do governo da França, passou a integrar a equipe de curadores do Centre Georges Pompidou e da Fondation Cartier, em Paris.

Outros livros

  • UM DIPLOMATA E POLÍTICO DO IMPÉRIO
  • ALÉM DAS IDEIAS
  • O SANFONEIRO DO RIACHO DA BRÍGIDA: VIDA E ANDANÇAS DE LUIZ GONZAGA - O REI DO BAIÃO
  • ANTONIO CALLADO: FOTOBIOGRAFIA
Ver Catálogo Completo